ACREDITA O EM SA DE .


46 views
Uploaded on:
Description
ACREDITAÇÃO EM SAÚDE. PAULO REBELO. Relatório da Academia Nacional de Medicina dos EUA, 1999 ERRAR É HUMANO 44.000 a 98.000 mortes / ano nos EUA, em conseqüência de erro médico. Anti-lei de Murphy 1 – “ Se houver possibilidade de uma coisa dar errado, dará.
Transcripts
Slide 1

ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PAULO REBELO

Slide 2

Relatório da Academia Nacional de Medicina dos EUA, 1999 ERRAR É HUMANO 44.000 a 98.000 mortes/ano nos EUA, em conseqüência de erro médico.

Slide 3

Anti-lei de Murphy 1 – " Se houver possibilidade de uma coisa dar errado, dará. 2 – Das coisas que não têm a menor possibilidade de dar errado, algumas darão." Ed Murphy, 1949 Base Aérea de Edwards, Califórnia

Slide 4

NÍVEIS DE QUALIDADE (Donabedian) Qualidade de estrutura Qualidade dos processos Qualidade dos resultados Pressuposto : Se as organizações cumprirem os requisitos, haverá menor possibilidade de erro e resultados adversos

Slide 5

HABILITAÇÃO, LICENÇA SANITÁRIA OU ALVARÁ PROCESSO, OBRIGATÓRIO, PELO QUAL UMA ENTIDADE GOVERNAMENTAL Dá PERMISSÃO An UM PROFISSIONAL OU INSTITUIÇÃO DE SAÚDE PARA OPERAR OU SE DEDICAR An UMA PROFISSÃO. NORMALMENTE É CONFERIDO APÓS INSPEÇÃO, PARA VERIFICAR SE ATENDE A PADRÕES MÍNIMOS, SENDO EXPEDIDO ALVARÁ OU LICENÇA

Slide 6

AUTO-AVALIAÇÃO MÉTODOS DE MONITORAÇÃO ATRAVÉS DE REUNIÕES, DISCUSSÕES DE CASOS OU REVISÃO DE PRONTUÁRIOS

Slide 7

CERTIFICAÇÃO AVALIAÇÃO, VOLUNTÁRIA, POR UMA TERCEIRA PARTE (RECONHECIDA E INDEPENDENTE) QUE RECONHECE QUE UM PRODUTO, PROCESSO OU SERVIÇO ESTÁ EM CONFORMIDADE COM UMA NORMA OU REQUERIMENTO ESPECÍFICO

Slide 8

ACREDITAÇÃO GERALMENTE VOLUNTÁRIO, OCORRENDO AVALIAÇÕES TÉCNICAS , PERIÓDICAS, PELOS PARES , COM BASE EM PAD R ÕES ELABORADOS POR CONSENSO ENTRE ESPECIALISTAS, PERMITINDO DIFERENTES NÍVEIS.

Slide 9

1951 JOINT COMISSION COLÉGIO AMERICANO DE CIRURGIÕES COLÉGIO AMERICANO DE CLÍNICOS ASSOCIAÇÃO MÉDICA AMERICANA ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE HOSPITAIS ASSOCIAÇÃO CANADENSE DE HOSPITAIS 1958 – SEPARAÇÃO USA E CANADÁ

Slide 10

OS PADRÃOES DO SISTEMA DE ACREDITAÇÃO DEVEM SER FLEXÍVEIS E DINÂMICOS PARA ACOMODAR VALORES CULTURAIS E MODIFICAÇÕES NO SISTEMA DE SAÚDE AO LONGO DO TEMPO .

Slide 11

An AVALIAÇÃO DEVE SER MAIS PELA COMPETÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR QUE PELA COMPLEXIDADE TECNOLÓGICA

Slide 12

An ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO – ONA RECOMENDA 3 NÍVEIS : ESTRUTURA E SEGURANÇA; SISTEMATIZAÇÃO DE PROCESSOS; E MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE.

Slide 13

Nível 1 CONTEMPLA O ATENDIMENTO A REQUISITOS BÁSICOS HABILITAÇÃO DO CORPO PROFISSIONAL         ATENDIMENTO AOS REQUISITOS FUNDAMENTAIS DE SEGURANÇA PARA O CLIENTE ESTRUTURA BÁSICA (recursos)

Slide 14

Nível 2 PLANEJAMENTO NA ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR EXISTÊNCIA DE NORMAS, ROTINAS E PROCEDIMENTOS (documentados e aplicados); EVIDÊNCIAS DE UMA LÓGICA DE MELHORIA DOS PROCESSOS (na assistência e procedimentos); EVIDÊNCIA DE ATUAÇÃO FOCALIZADA NO CLIENTE/PACIENTE.

Slide 15

Nível 3 POLÍTICA INSTITUCIONAL DE MELHORIA CONTÍNUA (estrutura, tecnologia, capacitação, assistência e procedimentos) CICLOS DE MELHORIA CONTÍNUA (worldwide e sistêmica); SISTEMA DE INFORMAÇÕES CONSISTENTE (indicadores, referências e tendências) SISTEMA DE AFERIÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E PROGRAMA DE QUALIDADE

Slide 16

ITENS DE VERIFICAÇÃO DOCUMENTOS;       ENTREVISTAS;       PRONTUÁRIOS       REGISTROS       OUTROS

Slide 17

RELATÓRIO E RESULTADO DA AVALIAÇÃO NÃO ACREDITADO (NÍVEL 1) ACREDITADO PLENO (NÍVEL 2) ACREDITADO COM EXCELÊNCIA (NÍVEL 3)

Slide 18

DINÂMICA DE AVALIAÇÃO E VISITAS PRÉ VISITA SE ALGUM SERVIÇO TIVER AVALIAÇÃO INFERIOR AS DEMAIS, An ACREDITAÇÃO SERÁ NO NÍVEL MAIS BAIXO. AS ÁREAS QUE O HOSPITAL NÃO POSSUIR SERÃO DESCONSIDERADAS

Slide 19

NÃO ACREDITADO REAVALIÇÃO DOS ITENS EM 6 MESES COM A MESMA ACREDITADORA         REAVALIAÇÃO GLOBAL EM 1 ANO COM QUALQUER ACREDITADORA ACREDITADO (NÍVEL 1) ACREDITADO PLENO (NÍVEL 2) VALIDADE DE DOIS ANOS         NÃO PODE REALIZAR NOVA AVALIAÇÃO PARA MUDAR DE CATEGORIA ACREDITADO COM EXCELÊNCIA (NÍVEL 3) VALIDADE DE TRÊS ANOS Não existe diferença significativa entre a realização de auditorias anuais ou bienais CDC, 1981

Slide 20

ESTRUTURA FORMAL REGULAMENTAÇÃO CONSELHOS, SECRETARIAS DA SAÚDE NORMATIZAÇÃO ABNT CERTIFICAÇÃO INMETRO ACREDITAÇÃO ONA – ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO AMB – ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA

Slide 21

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLÍNICA (SBPC) PROGRAMA DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS MANUAL COM PADRÕES PRÓPRIOS, TENDO POR BASE BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS (BPLC) DO INMETRO, CRITÉRIOS DO COLLEGE OF AMERICAN PATHOLOGISTS E An EXPERIÊNCIA ACUMULADA DESDE 1962

Slide 22

CONSÓRCIO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E SISTEMAS DE SAÚDE CBA (ANM, CBC, UERJ E CESGRANRIO em Parceria com Joint Commission Internacional Accreditation – JCI da Joint Commission on Accreditation of Healthcara Organizations dos EUA – JCAHO ) MANUAL DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR – MAH

Slide 23

INICIATIVAS ESTADUAIS CQH – CONTROLE DE QUALIDADE HOSPITALAR - AMSP E CREMESP com padrões próprios a partir do Prêmio Malcom Balridge e JCAHO IPAS – INSTITUTO PARANAENSE DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE , DA FEDERAÇÃO DE HOSPITAIS DO PARANÁ – FEHOSPAR IAHCS – INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR E CIÊNCIAS DA SAÚDE (conjugado ao Programa Gaúcho da Qualidade)

Slide 24

ONA – ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Orientado para an avaliação de estabelecimentos polivalentes e de internação de casos agudos

Slide 25

MS JCI SBPC ONA CQH CERTIFICADOR SERVIÇO

Recommended
View more...