Hipertens o Arterial na Inf ncia ESCS .


29 views
Uploaded on:
Category: Sales / Marketing
Description
Hipertensão Arterial na Infância ESCS / Hospit al Regional da Asa Sul Brasília, 2006. Nícolas Thiago Nunes Cayres de Souza - 01/0062 Marcelo Oliveira Prata - 01/0082 Internos da Escola Superior de Ciências da Saúde Drª Elisa de Carvalho Drª Sueli Falcão Orientadoras.
Transcripts
Slide 1

Hipertensão Arterial na Infância ESCS/Hospit al Regional da Asa Sul Brasília, 2006 Nícolas Thiago Nunes Cayres de Souza - 01/0062 Marcelo Oliveira Prata - 01/0082 Internos da Escola Superior de Ciências da Saúde Drª Elisa de Carvalho Drª Sueli Falcão Orientadoras

Slide 2

C lube de R evista A rtigo de revisão Hipertensão blood vessel na infância Cláudia Maria Salgado I ; João Thomaz de Abreu Carvalhaes II J Pediatr (Rio J) 2003; 79 Suppl 1: S115-24 I Mestre em Pediatria - UNIFESP. Médica do Departamento de Pediatria e Puericultura e da Liga de Hipertensão Arterial, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO IIProfessor Adjunto do Departamento de Pediatria - UNIFESP. Chefe do Setor de Nefrologia da Disciplina de Especialidades Pediátricas, Departamento de Pediatria - UNIFESP

Slide 3

O bjetivo: Realizar uma revisão crítica da literatura atual, enfocando aspectos práticos e relevantes para o diagnóstico e tratamento ambulatorial da criança com hipertensão blood vessel.

Slide 4

F ontes de Dados Artigos clássicos e revisão sistemática da literatura atual através de busca eletrônica nos bancos de dados Medline e Lilacs, nos últimos 10 anos, utilizando-se as palavras-chave hipertensão blood vessel , recém-nascido , lactente , pré-escolar , criança e adolescente , selecionando-se aqueles que trouxeram informações relevantes.

Slide 5

H ipertensão A rterial C onceito III Consenso Brasileiro de H.A.: multifatorial; níveis tensionais elevados; alterações metabólicas, alterações hormonais fenômenos tróficos (hipertrofia cardíaca e vascular).

Slide 6

P ressão blood vessel typical em crianças População adulta → definição epidemiológica; Crianças e adolescentes → definição estatística.

Slide 7

P ressão blood vessel typical em crianças Relatórios da Força Tarefa (Task Force); 1993: Rosner et al → valores limites (p90 e p95) específicos para cada percentil de estatura, separados para idade e sexo; 1996: mais recente atualização adotando os conceitos do trabalho de Rosner et al.

Slide 8

P ressão blood vessel typical em crianças Resoluções da atualização de 1996: 5º som de Korotkoff → characterize a pressão diastólica; pressão ordinary : P. A . sistólica e diastólica < p90; pressão typical alta ou limítrofe : P. A . sistólica ou diastólica entre o p90 e p95; hipertensão blood vessel : P. A . sistólica ou diastólica > p 95, (três ocasiões diferentes); hipertensão blood vessel do jaleco branco : no consultório, que não é confirmada através das medidas na monitorização ambulatorial da pressão blood vessel (MAPA).

Slide 10

M edida da pressão blood vessel Segunda Força Tarefa Americana (1987): > 3 anos → pressão blood vessel aferida ao acompanhamento pediátrico ambulatorial, segundo normas apropriadas; < 3 anos → métodos automáticos: única maneira de diagnosticar precocemente doenças potencialmente graves; Ao menos duas medidas em ocasiões diferentes para classificar a P.A. em crianças e adolescentes.

Slide 11

P revalência 1% a 13% → Relatos de diversos autores nacionais e estrangeiros; Valor  1% → medida repetidas vezes, como recomendado p/Dx.

Slide 12

E volução no fase adulta Bogalusa e Muscatine: Pressão blood vessel na infância como fator de risco de hipertensão no adulto; Forte correlação entre hipertensão blood vessel X sobrepeso e obesidade; Triagem de crianças c/risco de tornarem-se adultos hipertensos → intervenção precoce.

Slide 13

D eterminantes da PA Genéticos: Anormalidades dentro de um conjunto complexo de sistemas (transporte de eletrólitos, os mecanismos de controle simpático e endócrino, and so forth) cada qual com alterações genéticas em potencial; Alteração em algum desses qualities ou uma combinação de alterações = manifestação clínica de hipertensão blood vessel; Hereditários: 20 – half da variação da PA.

Slide 14

D eterminantes da PA Ambientais: Fatores perinatais (PC, Estatura, Apgar, prematuridade e peso) →`` Hipótese de B arker ``; Sódio/ sensibilidade; Potássio; Obesidade; Estresse; Outros.

Slide 15

E tiologia Recém-nascidos: trombose de artéria renal; estenose de artéria renal; trombose venosa renal; anormalidades renais congênitas; coarctação da aorta → observar >15 d/vida; displasia broncopulmonar (menos comum); PCA (menos comum); hemorragia intraventricular (menos comum). Cateterização: ↑ risco

Slide 16

E tiologia Primeiro ano de vida: coarctação da aorta doença renovascular; doença do parênquima renal. De 1 a 6 anos: doença do parênquima renal; doença renovascular; coarctação da aorta; (pós-ictal); hipertensão essencial; causas endócrinas (menos comum).

Slide 17

E tiologia De 12 a 18 anos: hipertensão essencial; iatrogênicas; doença do parênquima renal; doença renovascular (menos comum); causas endócrinas (menos comum); coarctação da aorta (menos comum). De 6 a 12 anos: doença do parênquima renal; doença renovascular; hipertensão essencial; coarctação da aorta; causas endócrinas (menos comum); iatrogênicas (menos comum).

Slide 18

I nvestigação – algoritmo da força tarefa História clínica bem detalhada : - história pré-natal e do parto (peso de nascimento, história de sofrimento fetal, anóxia neonatal, cateterismo umbilical, and so forth.); - sintomatologia específica da hipertensão (cefaléia, vômitos, escotomas, and so forth.); - doenças renais e urológicas atuais ou pregressas (ex. infecções urinárias); - uso de medicações (vasoconstritor nasal ou oral, corticóides, anticoncepcionais); - sintomas sugestivos de causa endócrina (ex. perda de peso, sudorese, taquicardia, palpitação, febre, câimbras e fraqueza strong); - história recognizable de hipertensão essencial e suas complicações, ou doença genética associada à hipertensão secundária (ex. doença policística, and so on)

Slide 19

I nvestigação – algoritmo da força tarefa Exame físico: - medida da pressão blood vessel em membro prevalent e mediocre e a palpação cuidadosa de pulsos em quatro extremidades, auxiliando o diagnóstico de coarctação da aorta e arterite de Takayassu; achados sugestivos de genitália ambígua lembram hiperplasia congênita de supra-renal; - sinais físicos sugestivos de doenças genéticas (ex.:neuro-fibromas e manchas bistro com-leite na neurofibromatose); - sinais sugestivos de causa endócrina - obesidade focal, fáscies de lua cheia, estrias, hirsutismo,  da tireóide, and so on.; - sinais de doença renal ou renovascular - massa renal ou rins aumentados de volume, edema, sopro stomach. Fundoscopia (angiopatia hipertensiva), ECG, Ecocardiograma;

Slide 20

I nvestigação – algoritmo da força tarefa

Slide 21

T ratamento não farmacológico Prevenção da obesidade;  da ingestão do sal/álcool; Exercícios físicos regulares; Não utilização de drogas que  PA.

Slide 22

T ratamento farmacológico Indicações: * hipertensão blood vessel secundária; * hipertensão blood vessel sintomática; * hipertensão blood vessel com lesão em órgão-alvo; * hipertensão blood vessel grave: níveis pressóricos > 20% do p95; * hipertensão blood vessel que não melho-ra com a terapia não farmacológica.

Slide 23

T ratamento farmacológico Bloqueadores do waterway de cálcio → Crise hipertensiva ; Inibidores da ECA; Diuréticos; Betabloqueadores → SNC . Renovascular

Slide 24

C onseqüências da hipertensão na infância Aterosclerose; Hipertrofia ventricular esquerda (HVE ); Angiopatia Hipertensiva; Alterações/distúrbios renais.

Slide 25

C onclusão O reconhecimento precoce da pressão blood vessel anormal e an intervenção (investigação e tratamento) adequada são necessários para diminuir a morbidade/mortalidade cardiovascular e renal futura.

Slide 26

Acesse este artigo fundamental no Medline : Salgado CM, Carvalhaes JT. Related Articles, Links [Arterial hypertension in childhood] J Pediatr (Rio J). 2003 May;79 Suppl 1:S115-24.

Slide 27

B ibliografia 1. Sociedade Brasileira de Hipertensão; Sociedade Brasileira de Cardiologia; Sociedade Brasileira de Nefrologia. III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial. Arq Bras Endocrinol Metab 1999;43:257-86. [ Lilacs ] 2. Burt VL, Whelton P, Roccella EJ, Brown C, Cutler JA, Higgins M, et al. Predominance of hypertension in the US grown-up populace: comes about because of the Third National Health and Nutrition Examination Survey, 1988-1991. Hypertension 1995;25:305-13. [ Medline ] 3. Brasil (Ministério da Saúde) - Coordenação de doenças cardiovasculares: Doenças cardiovasculares no Brasil. Sistema Único de Saúde, Brasília, 1993. 4. Joint National Committee. The 6th report of the Joint National Committee on avoidance, recognition, development, and treatment of hypertension. Curve Intern Med 1997;157:2413-46. [ Medline ] 5. Gueyffier F, Froment A, Gouton M. New meta-examination of treatment trials of hypertension: enhancing the gauge of restorative advantage. J Hypertens 1996;10:1-8. 6. Bartosh SM, Aronson AJ. Adolescence hypertension: a report on etiology, determination and treatment. Pediatr Clin North Am 1999;46:235-52. [ Medline ] 7. Morgenstern B. Circulatory strain, hypertension and wandering pulse checking in kids and young people. Am J Hypertens 2002;15(2 Pt 2):64S-66S. [ Medline ] 8. National Heart, Lung And Blood Institute. Team on the circulatory strain control in youngsters: proposals of the Task Force on the Blood Pressure Control in Children. Pediatrics 1977;59:797S-820S. 9. National Heart, Lung and Blood Institute. Report of the second team on the circulatory strain control in youngsters -

Recommended
View more...