Prologue to Coagulation Testing .


55 views
Uploaded on:
Category: Sports / Games
Description
Introduction to Coagulation Testing. Laura Worfolk, Ph.D. Scientific Director, Hematology Quest Diagnostics Nichols Institute, Chantilly, VA. Normal Hemostasis Absence of overt bleeding/thrombosis. Bleeding. Thrombosis. Hemostasis. Intricate system maintaining blood in fluid state
Transcripts
Slide 1

ATENDIMENTO INICIAL AO POLITRAUMATIZADO DR. ETTORE FERRARI FRANCIULLI

Slide 2

INTRODUÇÃO Trauma Doença do século - 3 º causa de óbito EUA - 60 milhões/ano ( 145.000 mortes/ano) -custo: U$ 400 bilhões/ano ATLS 2004 Brasil: - 2° causa de morte - 130000 mortes/ano ; 15 mortes/hora SIMÕES et al., 2001

Slide 3

INTRODUÇÃO São Paulo: - 6000 homicídios; 1% Grajaú: 184 homicídios - Hospital Grajaú 903 casos/3 meses 70% masculino 29% acidente trânsito 27,57% agressão 11,73% atropelamento 2,87% óbito FMUNISA 2003

Slide 4

INTRODUÇÃO - 130639 politraumatizados/ano 7314 internações PUC-RS 2006 - custo: U$ 578,08 (U$91,76/dia) PUC-PR 2006

Slide 5

HISTÓRICO Bíblia (Juízes 2;3:22) Séc. XIII - Saliceto Séc. XX - automóveis e violência 1965 - LPD - Root 1971 - USG Kristensen (Alemanha) 1976 - VL injury (Gazzaniga e Carnevale) 1978 – ATLS Década 80 – TC abdome (Boulanger et al.,1999)

Slide 6

ATLS 1976 - Nebraska 1978 - ATLS 1979 - ACS (American College of Surgeons) 1980 - curso em nível nacional nos EUA 1986 – América Latina Atualmente – 13000 médicos/ano; 750 cursos; 15 países ATLS 2004

Slide 7

ATLS Distribuição trimodal de óbitos: 1 º pico segundos a minutos do trauma.(ex: lesão aorta, coração, gdes vasos). 2º pico minutos a várias horas do injury . (ex: ruptura de baço, fígado, fraturas pélvicas). 3º pico dias a semanas do injury. ATLS 2004

Slide 8

ATLS Preparação Triagem Exame primário (ABC) Reanimação Exame secundário (da cabeça ao dedo do pé) Reavaliação Cuidados definitivos ATLS 2004

Slide 9

ATLS 282 PACIENTES/2 MESES/ATLS MÉDICOS (58,54%) ACADÊMICOS (76,76%) PUC-PR 2003

Slide 10

PREPARAÇÃO Fase intra-hospitalar - planejamento antecipado da equipe médica - equipamentos organizados e testados - cristalóides aquecidos(RL) - laboratório e radiologia - equipe médica protegida ATLS 2004

Slide 11

ATLS Preparação Triagem Exame primário (ABC) Reanimação Exame secundário (da cabeça ao dedo do pé) Reavaliação Cuidados definitivos ATLS 2003

Slide 12

TRIAGEM Classificação de acordo com o tipo de tratamento e recursos disponíveis Escolha do healing center a ser transportado( centro de injury) Pacientes e gravidade das lesões não excedem a capacidade de atendimento do clinic prioridade aos com risco de vida eminente e politraumatizados Pacientes e gravidade das lesões excedem a capacidade de atendimento do doctor\'s facility prioridade aos pacientes com maiores possibilidades de sobrevida ATLS 2004

Slide 13

ATLS Preparação Triagem Exame primário (ABC) Reanimação Exame secundário (da cabeça ao dedo do pé) Reavaliação Cuidados definitivos ATLS 2003

Slide 14

EXAME PRIMÁRIO A Vias aéreas com proteção da coluna cervical B Respiração e ventilação C Circulação com controle da hemorragia D Incapacidade , estado neurológico E Exposição ATLS 2004

Slide 15

A Vias aéreas com controle da coluna cervical Assegurar a permeabilidade CE, fraturas faciais, mandibulares ou tráqueo-laríngeas Técnicas de manutenção das VAS: - " button lift ": elevação do queixo - aspirador rígido - " jaw push ": anteriorização da mandíbula subluxações de até 5mm, mesmo com o colar cervical (APRAHAMIAN - 1984 ). - cânula orofaríngea

Slide 16

A Vias aéreas com controle da coluna cervical Considerar inicialmente lesão de coluna cervical em todo politrauma Retirar o colar - conscientes - após palpação - dúvida: Rx Coluna cervical

Slide 17

VIA AÉREA DEFINITIVA Indicações: Apnéia Impossibilidade de manter uma through adequada por outros métodos Proteção das vias aéreas contra aspirações comprometimento iminente ou potencial das vias aéreas TCE necessitando de hiperventilação TRM Necessidade de by means of aérea adequada stakes de afastar lesão cervical ACS 2004

Slide 18

INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL Método mais rápido ( 64 segundos ) Estabilização cervical Não exacerba lesões cervicais quando bem realizada. Uso de drogas: Midazolan Propofol Ketamina Succinilcolina SAWIN - 1996

Slide 19

INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL Colocação correta - ruídos respiratórios em ambos pulmões - ausência de borborigmos epigástricos - insuflação do " sleeve " e fixação da sonda CI: fratura em confront, coluna cervical ou sangramento na cavidade oral "Todo paciente que chegar ao healing facility com intubação traqueal prévia, deve ser considerada a possibilidade de que a sonda esteja mal posicionada" ATLS 2003

Slide 20

INTUBAÇÃO NASOTRAQUEAL Indicações - fratura de coluna cervical - impossibilidade de Rx coluna cervical CI : fraturas de base de crânio e médio – faciais; apnéia 276 segundos x 64 segundos - IOT SAWIN - 1996

Slide 21

VIA AÉREA CIRÚRGICA Indicações Impossibilidade na intubação orotraqueal edema de glote fratura de laringe hemorragia copiosa lesões faciais extensas Tipos - Cricotireoidosmia por punção - Cricotiroidostomia cirúrgica - Traqueostomia ATLS 2004

Slide 22

CRICOTIREOIDOSTOMIA POR PUNÇÃO Cânula plástica calibrosa Conector em "Y" - 1/4 segundos 30 a 45 minutos 15 l/min O 2 ATLS 2004

Slide 23

CRICOTIREOIDOSTOMIA CIRÚRGICA BRETTENEAU e TROSSEAU - 1880 GROW - 1976 Técnica: abertura da membrana cricotireoídea + cânula traqueostomia (5-7mm) Acima dos 12 anos/cartilagem cricóide SAWIN 1996

Slide 24

TRAQUEOSTOMIA Crianças abaixo dos 12 anos Trauma laríngeo Laceração traqueal extensa percutânea ATLS 2003

Slide 25

EXAME PRIMÁRIO A Vias aéreas com controle da coluna cervical B Respiração e ventilação C Circulação com controle da hemorragia D Incapacidade , estado neurológico E Exposição

Slide 26

RESPIRAÇÃO E VENTILAÇÃO Expor o tórax do paciente Inspeção, palpação, ausculta, percussão Lesões: - Pneumotórax - injury contuso de tórax/pulmão Hipertensivo - "válvula unidirecional" - diagnóstico clínico ; nunca radiológico - QC: dispnéia, hipotensão, desvio traquéia contralateral, ausência MV, distensão veias pescoço, timpanismo à percussão - Tto: descompressão imediata ( agulha 2 ºEIC linha hemiclavicular; drenagem 5° EIC) ATLS 2004

Slide 27

PNEUMOTÓRAX ABERTO Solução de continuidade meio interno/externo P. intratorácica = P. atmosférica hipóxia Tratamento - curativo 3 pontas (efeito de válvula) - drenagem torácica ( longe do ferimento) ATLS 2004

Slide 28

HEMOTÓRAX Sg cavidade torácica causas: ferimentos penetrantes; injury contuso Tto: drenagem torácica 5 º EIC linha axilar média Toracotomia - > 1500 ml Sg após drenagem - 200 ml/h 4 hs - PCR com ferimento torácico - ferimento área de Ziedler ATLS 2004

Slide 29

TAMPONAMENTO CARDÍACO Tríade de Beck - elevação PVC (estase jugular) - hipotensão blood vessel - abafamento de bulhas cardíacas causas: ferimentos penetrantes; injury contuso diagnóstico: punção Marfan; janela pericárdica, FAST tto:pericardiocentese,janela pericárdica, pericardiotomia by means of toracotomia ATLS 2004

Slide 30

EXAME PRIMÁRIO A Vias aéreas com controle da coluna cervical B Respiração e ventilação C Circulação com controle da hemorragia D Incapacidade , estado neurológico E Exposição

Slide 31

CIRCULAÇÃO Hemorragia: chief causa de óbito no injury Avaliação - nível de consciência(menor perfusão cerebral) - cor da pele (cianose – perda 30% volemia) - PA (diminuição – perda 30% volemia) - pulso ( taquicardia, filiformes, ausentes) - diurese (50ml/h); PVC ATLS 2004

Slide 32

CIRCULAÇÃO tto - identificar e controlar hemorragia (pressão direta) - acesso venoso adequado - 2 catéteres curtos e calibrosos - dissecção veia braço ou perna (safena) - cças < 6 anos –punção intra-óssea - reposição volêmica - RL 2L(cristaló

Recommended
View more...