Silver screen E SOCIOLOGIA .


32 views
Uploaded on:
Description
CINEMA E SOCIOLOGIA. PRATICA DE FORMAÇÃO. ARNALDO LEMOS FILHO. Cinema e Sociologia.
Transcripts
Slide 1

Silver screen E SOCIOLOGIA PRATICA DE FORMAÇÃO ARNALDO LEMOS FILHO

Slide 2

Cinema e Sociologia EMENTA - Busca utilizar o filme como meio de reflexão crítica sobre os problemas da sociedade capitalista, a partir da sociologia, ciência que surgiu com a sociedade burguesa e que é capaz de apreender, com suas múltiplas determinações, a verdade de nosso beat.

Slide 3

DESCRIÇÃO DA PRÁTICA – Esta prática estuda o filme como uma totalidade social completa, stakes de ser uma totalidade histórica, psicológica . Através da exibição e análise de filmes, estudaremos alguns temas da sociedade capitalista, tais como trabalho, alienação, mercadoria, ideologia e classes sociais, família burguesa, violência,corrupção.Os filmes serão instrumentos para uma reflexão sociológica crítica dos temas citados.

Slide 4

. OBJETIVOS ESPECÍFICOS – - Oferecer um momento de reflexão da sociedade burguesa para o desenvolvimento de uma consciência crítica - Desmitificar/desfetichizar o que está fetichizado na estrutura narrativa dos filmes Desconstruir a narrativa fílmica com seus múltiplos personagens e situações-chaves

Slide 5

CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO A visão crítica da sociedade burguesa capitalista é essential para o profissional de nível predominant que vai atuar na sociedade. An exibição e an análise de filmes temáticos é uma oportunidade para o aluno desenvolver esta consciência crítica.

Slide 6

METODOLOGIA Exibição e análise de filmes que discutam temas específicos da sociedade burguesa. Exposição dialogada da formação da sociedade capitalista, tendo como instrumento os resultados do projeto de extensão "Tela Crítica", de Giovanni Alves, da UNESP

Slide 7

Introdução Unidade 1 Violência e Sociedade Dominação e Sociedade Trabalho e Sociedade Unidade 2 Desigualdades sociais no Brasil Corrupção e Sociedade Brasileira Poder e Sociedade Brasileira Unidade 3 Unidade 4 Conclusão

Slide 8

Laranja Mecânica Unidade 2 Queimada O Corte Onibus 174 Unidade 3 Quanto vale ou é por quilo Batismo de Sangue

Slide 9

CALENDARIO MAIO ABRIL 08 INTRODUÇÃO 08 DEBATE PRIMEIRO FILME (1) 15 DOCUMENTARIO 13 PRIMEIRO FILME (2) 17 15 Aula Final 22 DEBATE 24 SEGUNDO FILME(1) SEGUNDO FILME (2) 29

Slide 10

Textos para leitura www.puc-campinas.edu.br/centros/cchsa FTP do Professor - lemos

Slide 11

BIBLIOGRAFIA ALVES, Giovanni.Cinema como experiência crítica-uma hermenêutica do Filme. www.telacritica.org ALVES, Giovanni.- Laranja Mecânica CD-ROM ALVES, Giovanni – A Beleza Americana – CD-Rom GIDDENS, Anthony. Sociologia. 4ªedição, Porto-Alegre: Ed. Artmed, 2005. TOMAZI, Nelson. Iniciação à Sociologia. São Paulo: Ed. Atual, 2001

Slide 12

CONCEITOS BÁSICOS Sociedade Capitalista Estado Classes Sociais Alienação Ideologia Mercadoria Instituições Sociais Fetichismo da Mercadoria

Slide 13

VISÃO CRÍTICA DA SOCIEDADE CAPITALISTA Macro-sociologia : examina a sociedade como um todo, ou seja, como um complexo sistema social. Small scale sociologia : examina an interação entre os indivíduos e entre os pequenos grupos. As principais teorias de sociologia moderna são do tipo full scale sociológico: as teorias funcionalistas e as teorias do conflito social.

Slide 14

TEORIAS FUNCIONALISTAS São teorias de integração social. Partem de uma visão única: a sociedade funciona como uma máquina. Características A sociedade distribui papeis e recursos (dinheiro, poder, prestigio, educação) aos seus membros que são peças da máquina. A sua finalidade é a sua reprodução através do funcionamento perfeito de seus vários componentes. Os seus membros estão integrados num sistema de valores, compartilham os mesmos objetivos, aceitam as regras vigentes e se comportam de forma adequada às mesmas.

Slide 15

TEORIAS FUNCIONALISTAS Há mecanismos de reajustes, e redistribuição de recursos e funções, pequenas mudanças dentro de limites estabelecidos pela própria sociedade, sem afetar o equilíbrio social. Em situação de crise e de conflito existe uma disfunção: ou os elementos de contestação são controlados e neutralizados (repressão) ou a maquina social será destruída. As disfunções se opõem ao funcionamento do sistema social. São falhas do sistema, não possibilitando an integração das finalidades e valores sociais.

Slide 16

SUAS FALHAS Consideram a sociedade como um sistema harmônico: qualquer conflito é manifestação de patologia social Adotam um modelo de equilíbrio social com pouco espaço aos processos de ruptura, conflito e mudança radical. São teorias estáticas, limitando-se a descrições superficiais da sociedade.

Slide 17

TEORIAS DO CONFLITO SOCIAL São teorias que consideram a sociedade como constituída de grupos com interesses estruturalmente opostos que se encontram em luta pelo poder. Características Afirmam que a coação e o condicionamento ideológico são pontos fundamentais que os grupos de poder exercem sobre os demais. As emergencies e as mudanças são consideradas fenômenos normais na sociedade: luta de interesses e poder. An estabilidade é considerada como uma situação de exceção

Slide 18

TEORIAS DO CONFLITO SOCIAL Fundamentam-se na tese marxista : " A história de todas as sociedades até hoje é a história da luta de classes" Explicam o funcionamento da sociedade pela estratificação social: a sociedade é constituída de vários estratus, resultado de uma desigualdade social no acesso ao poder e aos meios econômicos. Os marxistas afirmam an existência só de duas classes; os liberais analisam an atuação de vários estratos e elites sociais. Para todos, o conflito e a ruptura constituem a lei main da historia da sociedade.

Slide 19

Karl Marx - 1818-1883

Slide 20

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE Textos Básicos: 1848 O Manifesto Comunista 1859 Prefácio à Contribuição à Crítica da Economia Política 1863 O Capital

Slide 21

PRESSUPOSTOS PARA O CONHECIMENTO DA SOCIEDADE Conceito de Homem Conceito de Trabalho Conceito de História

Slide 22

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE HOMEM ser de necessidades satisfação das necessidades produção de bens materiais produção de bens materiais TRABALHO

Slide 23

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE Relações A ) com a Natureza Forças de Produção (instrumentos de produção) + B ) dos Homens entre si Relações de Produção (divisão do trabalho ) modo de produção História Antigo Feudal Capitalista

Slide 24

"A história humana é a história das relações dos homens com a natureza e dos homens entre si." Nesses dois tipos de relação aparece como intermediário um elemento essencial: O TRABALHO HUMANO Assim como Darwin havia descoberto a lei da evolução das espécies, Marx descobriu as leis da HISTÓRIA

Slide 25

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE SUPER ESTRUTURA IDEOLÓGICA POLÍTICA JURÍDICA ESTADO DIREITO FORÇA DE PRODUÇÃO + RELAÇÕES DE PRODUÇÃO (MODO DE PRODUÇÃO) INFRA ESTRUTURA ECONÔMICA

Slide 26

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE INFRA ESTRUTURA O conjunto das forças produtivas e das relações sociais de produção de uma sociedade forma sua base ou infra-estrutura que por sua vez é o fundamento sobre o qual se constituem as instituições políticas e sociais. Esta base material é o modo de produção que serve para caracterizar distintas etapas da história humana. SUPER ESTRUTURA Na produção da vida os homens geram outra espécie de produtos que não têm forma material: as ideologias políticas, concepções religiosas, códigos morais e estéticos, sistemas legais, de ensino, de comunicação, o conhecimento filosófico e científico, representações coletivas de sentimentos, ilusões, modos de pensar e concepções de vida. An explicação das formas jurídicas, políticas, espirituais e de consciência, encontra-se na base econômica e material da sociedade, no modo como os homens estão organizados no processo produtivo

Slide 27

Prefácio à Contribuição à Crítica da Economia Política " O modo de produção da vida material condiciona o processo da vida social, política e espiritual em geral" "Não é a consciência do homem que determina a sua existência, mas ao contrário, é a sua existência que determina a sua consciência " Ao mudar a base econômica revoluciona-se, mais ou menos, toda an imensa superestrutura erigida sobre ela" "Do mesmo modo que não podemos julgar um indivíduo pelo que ele pensa de si mesmo, não podemos julgar estas épocas de revolução pela sua consciência, mas pelo contrário, é necessário explicar esta consciência pelas contradições da vida material, pelo conflito existente entre as forças produtivas e as relações de produção" " Nenhuma formação social desaparece risks que se desenvolvam todas as forças produtivas que ela contem e jamais aparecem relações de produção novas bets de amadurecerem no seio da própria sociedade antiga as condições materiais para a sua existência"

Slide 28

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE SUPER ESTRUTURA IDEOLÓGICA CONSCIÊNCIA POLÍTICA JURÍDICA ESTADO DIREITO FORÇA DE PRODUÇÃO + RELAÇÕES DE PRODUÇÃO (MODO DE PRODUÇÃO) EXISTÊNCIA INFRA ESTRUTURA ECONÔMICA

Slide 29

CONCEPÇÃO MARXISTA DE SOCIEDADE MPC RELAÇÕES DE PROPRIEDADE PROPRIETÁRIOS NÃO PROPRIETÁRIOS PROLETARIADO BURGUESIA CLASSE DOMINANTE CLASSE DOMINADA RELAÇÕES DE DOMINAÇÃO

Slide 30

ANÁLISE DA MERCADORIA O duplo valor dos bens materiais Valor de uso Valor de troca A determinação do valor de troca Os processos históricos de troca A força de trabalho como mercadoria O processo da mais valia O fetic

Recommended
View more...